Uruguai vai ser observador associado da CPLP este ano


29 de Abril de 2016, ás 11:06 escrito por UE-CPLP



A secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação portuguesa afirmou hoje que o Uruguai vai ser observador associado da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) no segundo semestre deste ano.

A decisão de se tornar observador associado da CPLP insere-se numa estratégia "de aproximação aos países de língua portuguesa" e na vontade de "aproximação do Uruguai a África".

"O Uruguai será membro associado da CPLP na próxima cimeira, no segundo semestre, em 2016".

A responsável acrescentou que vai ser também assinado, sem adiantar uma data, um memorando sobre cooperação triangular entre Portugal, Uruguai e países lusófonos africanos.

Para reforçar a aproximação a África e também ao Brasil, o Uruguai quer expandir a língua portuguesa, que já se fala nas zonas de fronteira, disse.

"Fala-se português nas zonas de fronteira, onde é a segunda língua", sublinhou, explicando que o reforço da língua passará pelo recurso a cursos 'online', devidamente certificados.

A secretária de Estado portuguesa referiu estar em análise com as autoridades uruguaias a realização de uma semana do Uruguai em Lisboa, no próximo ano, para reforçar o relacionamento bilateral e trocar experiências em diversas áreas.

A realização da semana de Portugal no Uruguai inseriu-se numa estratégia de diversificação de parceiros económicos, depois de identificadas como áreas preferenciais na relação económica bilateral turismo, água, resíduos, saneamento e infraestruturas, disse.

Várias empresas portuguesas participaram nesta semana, na sequência de um trabalho prévio de identificação das áreas de intervenção, "havendo ecos extraordinariamente positivos" em relação a este evento, sublinhou Teresa Ribeiro, destacando a participação da comunidade portuguesa no país sul-americano "muito ativa e empenhada".

"Há convergências históricas, culturais e linguísticas que o Uruguai valoriza muito", o que facilita o relacionamento político e empresarial, afirmou.

Atualmente são observadores associados da CPLP a Geórgia, Maurícia, Japão, Namíbia, Senegal e Turquia.

A CPLP integra Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Cabe ao Brasil, que ocupa a presidência 'pro tempore' da organização lusófona, indicar a data e o local da próxima cimeira de chefes de Estado e de governo.