Timor-Leste tem condições para investir em infraestruturas e no povo


29 de Outubro de 2018, ás 09:33 escrito por UECPLP



Timor-Leste tem condições e recursos próprios disponíveis para investir paralelamente nas infraestruturas e na sua população, e deve fazê-lo porque é um "país rico onde há demasiados pobres", disse à Lusa um responsável do Banco Mundial.

"O que estamos a tentar convencer o Governo é de que o enfoque apenas no lado das infraestruturas não é suficiente. De que o Governo poderia e deveria, na nossa opinião, investir mais nas pessoas. Tanto o capital físico como o humano são importante se o país tem condições para responder às duas necessidades com suficientes recursos", disse à Lusa o diretor do Banco Mundial para a Indonésia e Timor-Leste, Rodrigo Chaves.

 

Em entrevista à Lusa, durante uma visita a Díli, Chaves disse que o Banco Mundial continuará a responder ao interesse de Timor-Leste em ter apoio no setor das infraestruturas, explicando que a instituição "triplicou a disponibilidade de financiamento bonificado, de 30 para 90 milhões [de dólares, 79 milhões de euros]".

 

Considerando "um luxo" ter num fundo próprio cerca de 10 vezes o seu PIB, o costa-riquenho disse que isso é uma "oportunidade enorme" que não deve ser perdida, devendo o estado procurar fazer "um bom uso da sua boa fortuna".

 

"Este país é rico. Não sei muitos países no mundo que podem dizer que têm num fundo que é 10 vezes o seu PIB. Nasceram ricos e se investirem esse fundo de forma eficiente e eficaz decidirão o futuro", considerou.

 

Questionado sobre o facto da economia depender muito do dinheiro do Estado, Chaves diz que se deve não deve haver uma "obsessão religiosa sobre esta questão" e que importa olhar para "o contexto deste país neste momento particular".

 

"A questão é como fazer o máximo através das decisões de alocação de fundos. Quanto se investe em capital e em desenvolvimento humano, procurar mais eficiência técnica", disse.

 

"Estão a conseguir-se os quilómetros de estradas de qualidade, estão a ser construídos suficientemente rápido? Está a gastar muito em educação, mas estão as crianças a aprender? Foquem-se nos resultados do investimento. Estudem os investimentos, façam estudos de viabilidade, tentem olhar para o futuro", disse.

 

Rodrigo Chaves recorda que o mundo está a mudar em vários aspetos, desde o modelo laboral à energia, e que Timor-Leste "tem o luxo de poder planear o seu próprio futuro porque tem os recursos para o fazer".

 

Um dos setores onde é urgente intervir é no combate ao nanismo que afeta mais de metade das crianças até aos cinco anos, o que representa uma "hipoteca no futuro das crianças que são vítimas de má nutrição no início das suas vidas".

 

"Os estudos mostram que em crianças com nanismo até à idade de 5, os seus cérebros já estão irreversivelmente danificados, de tal forma que não conseguirão aprender tão bem como o resto das crianças. E aqui estamos a falar de metade da população", afirmou.

 

"Isso, só por si, mostra que metade da futura força laboral já enfrenta desafios. Este é um mundo cada vez mais competitivo, a natureza da força de trabalho mudou, a força muscular é menos necessária e que o temos na cabeça é o que torna as pessoas mais produtivas. E sem isso não seremos mais produtivos. O rendimento das pessoas depende diretamente disso", sublinhou.

 

Combater o problema obriga a soluções de convergência - "fornecer os serviços sociais básicos e mudar os comportamentos sociais, ao mesmo tempo, no mesmo local, para a mesma comunidade", em áreas como saneamento, nutrição, cuidados de saúde.

 

Isso obriga a mais dinheiro, mas também a uma aplicação mais eficaz do dinheiro disponível, explicou, dando como exemplo a Indonésia onde foi feito um mapa nacional de zonas de alta incidência.

 

O Governo indonésio tem destinado ao combate do nanismo 14 mil milhões de dólares em quatro anos e a intervenção procura colmatar lacunas que existem nos vários locais, tornando a aplicação dos fundos mais eficaz.

 

"O Governo precisa de garantir que serviços públicos básicos para uma sociedade saudável, estão disponíveis onde a população vive. E se esses investimentos não existem isso significa dinheiro", afirmou.

 

"Mas também pode ser a solução usar o que temos de forma mais eficaz", disse.

 

Investir nas pessoas, afirmou, é essencial para ir reduzindo as ?gaps' construídas ao longo de séculos com planos desenhados e eficazmente implementados.

 

Considerando que o êxito da ação do Banco Mundial em Timor-Leste depende da capacidade de encontrar o modelo mais adequado à situação local, Chaves disse que a instituição une "experiência internacional com conhecimento do país".

 

E sobre os desafios e obstáculos burocráticos que ainda se sentem em Timor-Leste, Chaves diz que em todo o mundo se quer tudo o mais rapidamente possível, mas também da forma mais eficiente em termos de custos.

 

Dando como exemplo o facto do Governo, apesar do impasse político do país, ter conseguido continuar a pagar salários e a manter o funcionamento dos serviços básicos, Chaves reiterou a disponibilidade do Banco Mundial para ajudar a lidar com questões de gestão e administração.

 

Noticia: noticias.sapo.tl


Procurar