Timor-Leste vai abrir em 2019 novos blocos para exploração de petróleo on-shore


26 de Outubro de 2018, ás 09:39 escrito por UECPLP



As autoridades timorenses deverão abrir novos blocos de exploração de petróleo on-shore no sul de Timor-Leste em 2019 e, paralelamente, ampliar a zona de exploração no Mar de Timor, anunciou o Governo.

Ministro interino de Petróleo e Recursos Minerais timorense, Agio Pereira, anunciou numa conferência em Díli que a Autoridade Nacional do Petróleo e Minerais (ANPM) lança em 2019 "uma nova ronda para exploração de petróleo on-shore".

 

Recorde-se que em abril de 2017 Timor-Leste concedeu as primeiras duas licenças de exploração e produção de petróleo no interior do país.

 

Esses dois primeiros contratos abrangem uma área de cerca de dois mil quilómetros quadrados e incluem as obrigações mínimas de trabalhos, incluindo levantamentos sísmicos 2D, estudos de impacto ambiental e a perfurações de pesquisa.

 

Os contratos foram adjudicados à TIMOR GAP Onshore Block, uma subsidiária da empresa pública petrolífera de Timor-Leste (TIMOR GAP), e à Timor Resources Pty Ltd, uma empresa australiana que faz parte do Nepean Group.

 

A Timor Resources declarou que prevê investir cerca de 42 milhões de dólares americanos no projeto nos primeiros três anos.

 

Em agosto a empresa anunciou um contrato à BGP Indonesia para conduzir sondagens sísmicas onshore com petróleo descoberto em quatro das 12 perfurações iniciais de exploração.

 

Além da nova ronda de exploração onshore, o Governo quer ampliar a zona de exploração off-shore, especialmente depois de concluído o processo de ratificação do novo tratado de fronteiras com a Austrália.

 

Agio Pereira disse que os Governos timorense e australiano estão envolvidos em "contactos intensivos" com as petrolíferas para "garantir que os direitos contratuais são preservados depois da ratificação".

 

"A certeza do tratado criou um contexto positivo para empresas participarem na exploração de petróleo e gás no Mar de Timor", sublinhou.

 

O governante referiu-se igualmente à decisão do Governo comprar a participação de 30% da ConocoPhillips no consórcio dos campos de Greater Sunrise, que "coloca Timor-Leste numa posição mais vantajosa para o envolvimento direto como parceiro" para conseguir o projeto do gasoduto para o sul do país.

 

Agio Pereira fez o anúncio no arranque da 4ª Conferência Internacional de Geociência, organizada pelo Instituto do Petróleo e Geologia (IPG) subordinada ao tema "Dados e Informação Geológica de Timor-Leste para a Diversificação Económica e Desenvolvimento".

 

Na agenda do encontro, que decorre até sexta-feira, estão temas como recursos hídricos e petrolíferos on shore, impacto de alterações climáticas e estudos sobre risco de sismos e tsunamis.

 

Apesar de reconhecer que o petróleo e o gás natural continuarão a ser "pilar fundamental" da economia nacional, Agio Pereira reiterou que é prioridade do Governo diversificar a economia, incluindo através da exploração de outros recursos.

 

Nesse sentido, disse que as sondagens e análises à geologia do país estão a contribuir para suscitar um interesse crescente de investidores internacionais.

 

Assim, disse, o Governo prevê conseguir aprovar ainda este ano o primeiro Código Mineiro do país, que tem vindo a ser preparado nos últimos dois anos.

 

O também ministro de Estado na Presidência do Conselho de Ministros sublinhou a importância que "conhecer e entender os dados geológicos do país" tem para definir políticas e "alcançar os objetivos do nosso plano de desenvolvimento estratégico".

 

"Entender os dados e informação é indispensável para os nossos esforços de conquistar os planos para o futuro da nação", disse.

 

"Conhecimento é poder. Informação sobre os recursos geológicos de um país pode ser escondida ou alterada para servir interesses. É por isso crucial para Timor-Leste reunir e deter dados independências, sérios para que possamos avançar no desenvolvimento da nação, de forma racional e informada", explicou.


Procurar