Baixa de Maputo, em Moçambique, quer tornar-se centro de turismo


17 de Outubro de 2018, ás 09:43 escrito por UECPLP



O governo de Moçambique e o sector privado estão a estudar estratégias para tornar a zona da baixa da cidade de Maputo, a capital moçambicana, em destino turístico de referência internacional, capaz de concorrer com outros da região da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e do mundo, escreve a imprensa local.

O presidente do pelouro de Turismo na Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA), João das Neves, que falava durante um seminário sobre turismo, disse ser necessário criar condições para que o turismo seja eficiente.

“Há necessidade de criar condições de higiene, saúde, segurança, transporte, para que o visitante possa usufruir de turismo de qualidade e que isso traga mais-valias para as empresas que aqui estão, para o Estado, através dos impostos e para a reputação de Moçambique como destino turístico” disse.

O Maputo recebe anualmente 40 mil turistas, a maioria dos quais  através de cruzeiros. Cada vez que um cruzeiro atraca no Porto de Maputo são cerca de 1.200 turistas que visitam a cidade.

João das Neves disse que Maputo “não oferece condições adequadas para a prestação de serviços diversos aos turistas” pelo que é necessário pensar numa estratégia de atracção dos visitantes.

Dados avançados pela directora Nacional do Turismo, Maria Romero, indicam que Moçambique arrecadou pelo menos 130 milhões de dólares em receitas de turismo, em 2017 número superior ao registado em 2016 quando o turismo representou 106 milhões de dólares.

Também o vereador das actividades económicas do Conselho Municipal da cidade de Maputo, João Munguambe revelou que mais de 200 milhões de dólares deverão ser investidos na cidade de Maputo, para viabilização do projecto de polo de atracção turística na baixa da capital moçambicana.

O valor destina-se à reabilitação de infra-estruturas público-privadas.


Procurar