Investimentos regionais em África precisam de políticas coordenadas


08 de Outubro de 2018, ás 09:35 escrito por UECPLP



O Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) defendeu hoje que a gestão macroeconómica salutar, políticas monetárias e fiscais coordenadas e taxas de câmbio estáveis são aspectos importantes para potenciar o investimento das empresas africanas no continente.

"Gestão macroeconómica salutar, políticas fiscais e monetárias coordenadas e taxas de câmbio estáveis importam; a moldura regulatória, fiscal, legal e empresarial também é importante", lê-se no primeiro relatório do BAD sobre o comércio intra-africano, com o título 'Africa to Africa Investment - A first look'.

De acordo com o documento, o primeiro relatório do BAD dedicado exclusivamente ao comércio entre os países africanos, e que surge nas vésperas do Fórum de Investimento em África, que se vai realizar em Novembro, em Joanesburgo, "o ambiente global volátil mostra a importância de África reduzir a dependência dos investimentos com origem noutros continentes e de promover investimento intra-regional".

No documento, a equipa liderada por Akinwumi Adesina escreve que "entre 2006 e 2016, os investimentos de raiz cresceram de 4 mil milhões para 10 mil milhões de dólares, ao passo que o número de fusões e aquisições entre empresas africanas duplicou, passando de 238 negócios em 2006 para 418 em 2016".

A nível global, o Investimento Directo Estrangeiro (IDE) em África tem oscilado nos últimos cinco anos, tendo atingido o pico em 2013, com 74 mil milhões de dólares, mas depois diminui para 41 mil milhões no ano passado, tendo estado a recuar nos dois últimos, sendo que em 2017 a queda do IDE foi de 23%.

"Com uma recuperação muito modesta prevista para este ano, esta tendência decrescente é uma preocupação de longo prazo para África, já que o IDE é fundamental para acelerar a industrialização e o desenvolvimento sustentável", escrevem os autores do relatório do BAD.

A perspectiva de evolução para as maiores empresas africanas é "promissora, mas há espaço para crescer", vincam os analistas, apontando que "os números mostram que as receitas totais das maiores empresas africanas é apenas um terço do seu potencial e que as maiores empresas podem usar melhor as estratégias de inovação para acelerar a sua expansão".

O BAD afirma que há oportunidades em novos sectores e que os projectos de infra-estruturas estão a receber uma "ajuda muito necessária" destas empresas com uma visão regional, que têm vários aspectos em comum: confiança clara na região, histórico de excelência nos seus mercados e capitalização das especificidades africanas.


Procurar