Angola com menos risco e mais recompensa para investidores, diz Consultora Control Risks


26 de Junho de 2018, ás 18:36 escrito por UECPLP



"Desde que tomou posse, João Lourenço agiu com notável rapidez e empenho para consolidar a sua autoridade; mais de 100 aliados do seu antecessor foram removidos dos postos, incluindo a filha do antigo Presidente, Isabel dos Santos, líder da Sonangol, e o filho José Filomeno dos Santos, do fundo soberano", escrevem os analistas.

A análise, a que a Lusa teve acesso, dá conta de uma melhoria da perspetiva de recompensa para os investidores, que passou de 3,7 para 4,8 pontos de 2017 para 2018, ao passo que o nível de risco diminuiu de 6,8 para 6,2 pontos no mesmo período.
 
Na análise enviada aos investidores, a Control Risks lembra que vários "contratos estatais e acordos detidos por companhias ligadas à família de Santos também foram cancelados" e admite que "mesmo que estes esforços para desmantelar as redes do antigo Presidente sejam motivados politicamente, também ofereceram novas oportunidades de investimento estrangeiro em setores que antes eram dominados pelo antigo Presidente e pela sua família".
 
João Lourenço, dizem os analistas, "vai ter dificuldade implementar todas as reformas propostas", já que "à medida que a necessária consolidação orçamental e a desvalorização da moeda vão começar a ter um impacto no custo de vida, o mandato popular que alicerça as suas ações vai começar a enfraquecer".
 
 
As principais figuras do MPLA, acrescentam, "vão oferecer resistência quando o foco mudar da família do antigo Presidente para outros políticos com interesses empresariais" mas, para já, "Angola está cada vez mais atrativa como destino de investimento".
 
 
A subida dos preços do petróleo este ano vão fazer as exportações subirem 48,8% para 41,6 mil milhões de dólares, o que "melhora a perspetiva geral da economia angolana", diz a Control Risks, salientando também que a decisão de deixar o kwanza flutuar face ao dólar e a descida da inflação são desenvolvimentos internos positivos, que deverão ajudar a que o PIB cresça 2,1% este ano e 2,8% em 2019 e 2020, quando no ano passado ficou-se pelos 0,7%.
 
Notícia: Angonoticias